conecte-se conosco

ARTIGOS

A rejeição do mito

Publicados

sobre

Aplaudido efusivamente por seus milhões de seguidores nas ruas e nas redes sociais o presidente da república pode não ter a aprovação que precisa na opinião pública para conseguir a reeleição.

Poucos dias antes das eleições de 2018 o Datafolha apurou que Bolsonaro tinha 44% de rejeição no eleitorado, um índice muito alto, mas que garantiu seu diploma no segundo turno quando todos votaram contra o PT.

Hoje o chefe do governo tem 59% de rejeição, conforme dados apurados pelo Datafolha recentemente. Um recorde considerando a popularidade dos ex-presidentes medida pelo instituto desde a redemocratização.

Presos em suas bolhas de informação, os militantes e seguidores do bolsonarismo ignoram a hipótese do presidente sem partido não participar das eleições de 2022, ou ter um papel secundário, caso o pleito seja encerrado no primeiro turno, como mostram algumas hipóteses eleitorais.

A rejeição de Lula também é alta e deve aumentar ainda mais com a aproximação da hora do voto, devido aos ataques que sofrerá de todos os adversários, já que é o favorito, segundo as pesquisas de opinião.

No atual cenário não há hipótese de vitória para Bolsonaro, mas ele está no governo e possui recursos para mudar a estratégia, resta saber se ainda há tempo e condições para uma reversão nos atuais rumos políticos e políticas públicas.

#cenárioeleitoral #análisedeconjuntura #análisepolítica #política #conjuntura #análise #lula #bolsonaro #eleições #2022 #pesquisas #notícias #especulações #bastidores #brasil #nacional #presidente #voto #rejeição #intenção #estatística #ciênciadedados #metodologia #marketingpolítico #marketingeleitoral #propaganda #redessociais #brasília #congresso #câmara #palácio #planalto #crise #bancadagovernista #oposição #pt #psdb #pp #psd #cirogomes #datena #rodrigopacheco #stf #doria #2018

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ARTIGOS

Novo Auxílio Brasil é caro e inútil

Publicados

sobre

O governo federal não debate com a sociedade os problemas nacionais que envolvem o trabalho e a redução da pobreza e das desigualdades. Pressionado pela opinião pública e as pesquisas eleitorais, o presidente mandou anunciar o fim do auxílio emergencial e do Bolsa Família, criando um novo programa que ampliará o número de beneficiários, com reajuste linear de 20% nos valores pagos no programa já existente.

O ministro encarregado no governo de promover a cidadania apresentou uma solução que teve como efeito imediato a queda da Bolsa de Valores e a desvalorização da moeda nacional.

A crise sanitária atingiu os brasileiros mais pobres, aumentando a miséria e a fome, mas entre os mais ricos a situação resultou em ampliação de suas riquezas, com aumento de 2,7 pontos percentuais na relação econômica que mantem 49,6% da renda nacional nas mãos de apenas 1% dos seus cidadãos.

O governo não foi capaz de implementar uma estratégia eficiente para enfrentar as consequências econômicas da doença coletiva que se espalhou por todo o mundo, mesmo sabendo e anunciando que o problema existia. O auxílio emergencial criado pelo Congresso, descontinuado pelo governo, retomado e agora extinto, foi implantado verticalmente e sem nenhuma colaboração da rede de assistência social existente no país.

O Brasil descumpriu sete das 12 recomendações recebidas pela Revisão Periódica Universal (RPU) da ONU sobre trabalho e redução da pobreza e da desigualdade e promoveu o retrocesso em quatro delas.

As medidas anunciadas como soluções eleitorais não serão eficientes para ampliar a renda e reduzir as desigualdades, além de provocarem efeitos econômicos indesejáveis. O mais importante deles é o calote nas contas públicas, com a criação de um crédito extraordinário para pagar débitos que deveriam estar previstos no orçamento.

===

Continue lendo

ARTIGOS

CPI DE ARROZ DE PATO

Publicados

sobre

Esse foi o prato principal servido entre os senadores que decidiram como ficaria o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito já publicado e que será votado na próxima semana.

Como o presidente da república tem imunidade presidencial e conta com a proteção da Procuradoria Geral da República e da Câmara Federal, não deverá sofrer punições pelos supostos crimes que teria praticado, que juntos poderiam lhe render mais de cem anos de cadeia.

O perigo agora é para os aliados que estão indiciados em crimes graves, como por exemplo, o ex-ministro da Saúde, general da ativa do Exército Brasileiro, Eduardo Pazzuello. Além dele, também estão no relatório os filhos do presidente, ex-ministros, empresários, assessores, funcionários públicos, blogueiros, médicos, deputados, etc.

Os indiciados mais fracos e mais pobres serão os primeiros a serem punidos. Por terem sido indiciados, alguns já estão sofrendo as consequências da citação pública dos seus nomes. Àqueles que não puderem pagar advogados que atuam em cortes superiores, irão para a cadeia rapidamente.

Já os indiciados mais ricos e mais poderosos poderão recorrer das acusações em liberdade e a maioria não ficará nenhum dia preso. O presidente se for habilidoso, poderá dividir o poder com seus aliados e manter-se no cargo, podendo reeleger-se no próximo ano e afastar para ainda mais longe qualquer punição.

Continue lendo

ARTIGOS

Pesquisas políticas falsas

Publicados

sobre

Evidentemente existem pesquisas de eleitorais feitas por amostragem para medir a intenção de voto do eleitor, que são falsificadas para beneficiar um candidato em detrimento de outro.

Veja como descobrir quais são as falsas e em que estudos se pode conferir algum grau de credibilidade, não como uma previsão do resultado da eleição, mas apenas um mapa numérico e gráfico de como poderá se comportar a intenção de voto do eleitor até o dia da eleição.

Respondendo a uma série de críticas e comentários nos vídeos anteriores sobre pesquisas de opinião e buscando esclarecer algumas dúvidas.

#pesquisas #eleições #futuro #previsões #perspectivas #candidatos #propostas #ideias #teorias #hipóteses #metodologia #estudos #estatística #ciência #dados

Continue lendo

MAIS LIDAS